Papa João XXIII

Fonte: SAPO Saber, a enciclopédia portuguesa livre.

Beato João XXIII, OFS
262º Papa
Imagem de Beato João XXIII, OFS
OBŒDIENTIA ET PAX
Brasão pontifical de Beato João XXIII, OFS
Nome de nascimento: Angelo Giuseppe Roncalli
Nascimento Sotto il Monte, Itália,
25 de Novembro de 1881
Eleição 28 de outubro de 1958
Entronização: 4 de Novembro de 1958
Fim do
pontificado:
3 de Junho de 1963
Predecessor: Pio XII
Sucessor: Paulo VI
{{{nota}}}
Antipapa: {{{antipapa}}}
Listas dos papas: cronológica · alfabética

[[File:Roncalli-1901.jpg||thumb|right|180px|Angelo Roncalli em 1901.]] O Beato Papa João XXIII, nascido Angelo Giuseppe Roncalli (Sotto Il Monte, 25 de Novembro de 1881Vaticano, 3 de Junho de 1963) foi Papa do dia 28 de outubro de 1958 até à data da sua morte. Era mundialmente conhecido por "Papa Bom" ou "Papa da bondade" [1].

Considerado um Papa de transição, depois do longo pontificado de Pio XII [2], ele convocou, por surpresa de muitos, o Concílio Vaticano II, que visava a renovação da Igreja e a formulação de uma nova forma de explicar pastoralmente os dogmas ao mundo moderno [3] [4] [5]. Pertencia à Ordem Franciscana Secular (OFS) Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content e escolheu como lema papal: Obediência e Paz [6].

No dia 3 de Setembro de 2000, João XXIII foi declarado Beato pelo Papa João Paulo II [7]. João XXIII é considerado o patrono dos delegados pontifícios e a sua festa litúrgica é celebrada no dia 11 de Outubro [8].

Índice

[editar] Trajetória

[editar] Início

Angelo Giuseppe Roncalli nasceu e foi baptizado em Sotto il Monte (província de Bérgamo, Itália), no dia 25 de Novembro de 1881. Era o terceiro filho numa família humilde e numerosa de tipo patriarcal e de trabalhadores agrícolas. Desde cedo, devido ao "clima religioso da família e à fervorosa vida paroquial", Roncalli já era muito devoto, acabando por ingressar no Seminário de Bérgamo. "Ali, ele começou a redigir os seus escritos espirituais, que depois foram recolhidos no "Diário da Alma"" (ou Jornal da Alma), um livro auto-biográfico muito famoso de Roncalli. Em 1897, ele professou a regra da Ordem Franciscana Secular. "De 1901 a 1905, foi aluno do Pontifício Seminário Romano, graças a uma bolsa de estudos da diocese de Bérgamo" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Finalmente, após vários anos de estudo, Roncalli foi ordenado sacerdote católico em Roma, no ano de 1904. Em 1905, "foi nomeado secretário do novo Bispo de Bérgamo, D. Giacomo Maria Tedeschi". Durante estes anos em Bérgamo, Roncalli foi também professor do Seminário de Bérgamo e "aprofundou-se no estudo" da vida e da obra de São Carlos Borromeu, de São Francisco de Sales e do Beato Gregório Barbarigo (este último só foi canonizado, em 1960, por João XXIII) Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Em 1915, quando a Itália entrou na Primeira Guerra Mundial, foi alistado como sargento do corpo médico e "capelão militar dos soldados feridos que regressavam da linha de combate". Em 1919, foi nomeado director espiritual do Seminário de Bérgamo. Em 1921, o Papa Bento XV nomeou-o presidente nacional do "Conselho das Obras Pontifícias para a Propagação da Fé". Devido a este novo cargo, Roncalli "percorreu muitas dioceses da Itália, organizando círculos missionários" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Carreira diplomática

[[File:Johannes XXIII als bisschop.jpg|thumb|left|170px|Roncalli como prelado.]]

Em 1925, o Papa Pio XI nomeou-o Visitante Apostólico na Bulgária e elevou-o a Arcebispo da "Sede titular de Areopolis" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Escolheu como lema episcopal Oboedientia et Pax (Obediência e Paz), que sempre conservou como lema pessoal Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Com esta nomeação, deu-se início à longa carreira diplomática de Roncalli. Na sua estadia na Bulgária, ele "visitou as comunidades católicas e cultivou relações respeitosas com as demais comunidades cristãs", revelando-se assim o seu espírito tolerante e ecuménico Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Em 1934, Roncalli passou a ser Arcebispo-titular de Mesembria [9]. Em 1935, foi nomeado Delegado Apostólico na Turquia e Grécia. Neste dois países, ele "trabalhou com intensidade ao serviço dos católicos e destacou-se pela sua maneira de dialogar e pelo trato respeitoso com os ortodoxos e os muçulmanos". Quando começou a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), ele conseguiu salvar "muitos judeus com a "permissão de trânsito" fornecida pela Delegação Apostólica" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Por isso, em reconhecimento deste trabalho humanitário, a Fundação Internacional Raoul Wallenberg defende actualmente a atribuição do prémio Justo entre as nações a Roncalli [10] [11]. Em 1944, num dos seus sermões proferidos em Istanbul, Roncalli revelou já o seu desejo em convocar um concílio ecuménico, que iria ser no futuro o Concílio Vaticano II (1962-1965) [12].

Em 1944, o Papa Pio XII nomeou-o Núncio Apostólico em Paris. Aproximando-se do fim da Segunda Guerra Mundial, Roncalli "ajudou os prisioneiros de guerra e trabalhou pela normalização da vida eclesial na França" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Ele desempenhou também o papel de mediador entre as facções mais conservadoras e mais progressistas do clero francês Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Na sua permanência em França, Roncalli recordaria mais tarde em tom de humor que quando uma mulher com vestes muito reduzidas entrou na sala em que ele se encontrava numa recepção, as pessoas da sala não olharam para ela, mas sim para ele, a ver se ele olhava para a recém-entrada [13].

Em 1953, Roncalli foi elevado a Cardeal-presbítero de Santa Prisca e foi também nomeado Patriarca de Veneza Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Num sinal de consideração pelo seu trabalho e pela sua personalidade, o presidente francês Vincent Auriol, reclamando para si o antigo privilégio dos monarcas franceses, deu o solidéu vermelho a Roncalli numa cerimónia no Palácio do Eliseu. Antes de Roncalli partir para Veneza, ele foi homenageado num jantar de despedida, onde esteve presente muitas figuras ilustres e muitos políticos da Direita, da Esquerda e do Centro Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Mais tarde, avaliando o seu trabalho feito na França, a Santa Sé caracteriza Roncalli como "um observador atento, prudente e repleto de confiança nas novas iniciativas pastorais" do clero francês; e também como um sacerdote com uma "piedade sincera" e uma "simplicidade evangélica, inclusive nos assuntos diplomáticos mais complexos" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Patriarca de Veneza

[[File:7693 - Venezia - Palazzo patriarcale - Lapide Giovanni XXIII - Foto Giovanni Dall'Orto, 8-Aug-2007.jpg|thumb|right|190px|Uma placa comemorativa de João XXIII na fachada do Palácio Patriarcal de Veneza.]]

Como Cardeal-Patriarca de Veneza (1953-1958), Roncalli continuou o seu trabalho ecuménico; convocou um sínodo diocesano; criou cerca de 30 paróquias; e privilegiou o contacto com os padres e com os leigos católicos, realizando por isso várias visitas pastorais. Ele, como era uma pessoa modesta, quebrou muitos protocolos e realizou muitas visitas e passeios informais pelas ruas de Veneza, tentando conversar com todos aqueles que ele encontrava na rua. Ele usava até frequentemente os transportes públicos, nomeadamente as gôndolas, e estava muitas vezes presente nos principais eventos da cidade Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Eleição

Ver artigo principal: Conclave de 1958

Na sequência da morte do Papa Pio XII, em 1958, realizou-se rapidamente um conclave, onde se reuniu os cardeais-eleitores para escolherem um novo Papa. Ao contrário do que se sucedeu no conclave de 1939 (onde Pio XII foi quase unanimamente eleito Papa), o conclave de 1958 tinha vários candidatos favoritos (ou papabiles). Devido a este facto, os cardeais-eleitores procuraram escolher um candidato idoso e "de compromisso", acabando por isso por eleger Ângelo Roncalli, que era precisamente um homem modesto e idoso (já tinha 77 anos). Por esta razão, ele era apenas considerado um Papa "de transição" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content [14].

Assim sendo, Ângelo Roncalli foi, com grande surpresa para si, eleito Papa em 28 de Outubro de 1958, na 11ª votação; tomou o nome papal de João XXIII (Ioannes PP. XXIII, pela grafia latina). Embora a intenção fosse a de homenagear São João Evangelista, a escolha desse nome causou surpresa. Isto porque, afinal, o último papa a chamar-se João fora o francês Jacques D'Euse, ainda na Idade Média (Papa João XXII); e ainda porque existiu, também na Idade Média, um anti-papa com o nome de João XXIII [15].

[editar] Pontificado

Um monumento ao Papa João XXIII, em Guardabosone (VC)
Um monumento ao Papa João XXIII, em Guardabosone (VC)

No seu curto pontificado de cinco anos, João XXIII convocou precisamente cinco consistórios, criando ao todo mais de 50 cardeais e quase duplicando o número de membros do Colégio dos Cardeais Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. No primeiro consistório (1958), ele elevou o Arcebispo Montini (um candidato favorito no conclave de 1958) a Cardeal, tornando-o apto para o próximo conclave (de facto, Montini iria tornar-se no Papa Paulo VI) Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Quando foi eleito Papa, João XXIII insistiu que Domenico Tardini fosse seu secretário de Estado, mesmo sabendo que ele não gostava muito de si. Tardini, que trabalhou durante muitos anos na Cúria Romana, ficou muito admirado e surpreendido com esse gesto generoso do Papa Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Como Pontífice, João XXIII preocupou-se muito com as responsabilidades pastorais do clero. Por isso, para dar o seu exemplo, ele "visitou muitas paróquias da Diocese de Roma, sobretudo as dos bairros mais novos", e visitou também "os encarcerados e os doentes" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Estas visitas pastorais são de grande valor e significado, porque, desde 1870, nenhum Papa saiu do Vaticano para ir visitar a sua diocese (o Papa também é Bispo de Roma). João XXIII preocupou-se também com a condição social dos trabalhadores, dos pobres, dos órfãos e dos marginalizados Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Tendo já desde cedo um espírito de tolerância e de ecumenismo, ele procurou cooperar e dialogar com outras crenças e religiões, nomedamente com os protestantes, os ortodoxos, os anglicanos e até com os xintoístas. Ele criou inclusivamente, em 1960, o Secretariado para a Promoção da Unidade dos Cristãos, que tinha por função recompor a unidade entre os cristãos separados. Durante o seu pontificado, ele instituiu também "uma Comissão para a revisão do Código de Direito Canónico" e convocou, em 1960, o primeiro Sínodo da Diocese de Roma Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Ele também "retirou da liturgia de Sexta-feira Santa as duras expressões referentes" aos judeus [16].

Em 1959, João XXIII, através da sua confirmação do Decretum Contra Communismum (1949), proibiu os católicos de votarem em partidos ou em candidatos apoiantes do Comunismo [17]. Mas, isto não impediu o Papa de receber e de dialogar, em 1963, com a filha e o genro de Khrushchev (líder da União Soviética), numa tentativa de diminuir as tensões entre a Igreja Católica e a União Soviética Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Em 1962, durante a Crise dos Mísseis em Cuba, o Papa pediu a todos os governantes do mundo para se esforçarem a salvaguardar a paz, que é querida pela humanidade. Algumas pessoas acreditam que esta mensagem, difundida pela Rádio Vaticano, teve alguma importância na diminuição de tensões entre a União Soviética e os Estados Unidos da América (EUA) e na consequente decisão de Khrushchev de iniciar o diálogo com os EUA Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Em reconhecimento pelo seu trabalho em prol da paz e da humanidade, João XXIII foi agraciado com o Prémio Balzan, que lhe foi entregue no dia 10 de Maio de 1963. Ele também tornou-se na Pessoa do Ano de 1962 Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. thumb|right|190px|Giacomo Alberione a cumprimentar o Papa João XXIII (sentado).

Apesar de ter um pontificado curto (que durou menos de cinco anos), ele é considerado um dos mais populares e amados Papas, não só dentro da Igreja Católica, mas também por entre os não-católicos. Ele deixou para o mundo uma imagem de "bom Pastor" que quer abraçar e amar todos os homens (quer eles sejam católicos ou não) Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content [18] Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. A Santa Sé caracterizou João XXIII como um Papa "manso e atento, empreendedor e corajoso, simples e cordial, [que] praticou cristãmente as obras de misericórdia corporais e espirituais, [...] recebendo homens de todas as nações e crenças e cultivando um extraordinário sentimento de paternidade para com todos. [...] Sustentava-o um profundo espírito de oração, e a sua pessoa, iniciadora duma grande renovação na Igreja, irradiava a paz própria de quem confia sempre no Senhor" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Durante as celebrações dos 50 anos da eleição de João XXIII (2008), o Papa Bento XVI afirmou que "a fé em Cristo e na Igreja foi o segredo que fez do beato João XXIII uma figura mundial da paz" [19].

João XXIII acreditava que a Igreja Católica não devia ser só uma instituição com leis e doutrinas, mas que devia ser, acima de tudo, uma autêntica comunhão do género humano com o amor de Deus. Ele também acreditava que a renovação da Igreja era necessária e era fruto da actuação sobrenatural do Espírito Santo sobre a Igreja. E é esta sua confiança e convicção que deu-lhe coragem e determinação em convocar o Concílio Vaticano II (1962-1965) Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] O Concílio Vaticano II

Ver artigo principal: Concílio Vaticano II
Estátua de João XXIII na Lourinhã, em Portugal.
Estátua de João XXIII na Lourinhã, em Portugal.

João XXIII inaugurou, em 1962, um concílio ecuménico - o Concílio do Vaticano II - menos de 90 anos após o último (Concílio do Vaticano I, convocado por Pio IX para afirmar o dogma da infalibilidade papal). Mas, a intenção em realizar este concílio foi já anunciado por João XXIII no dia 25 de Janeiro de 1959 Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

João XXIII idealizou o Concílio Vaticano II "como um «novo Pentecostes» [...]; uma grande experiência espiritual que reconstituiria a Igreja Católica" não apenas como instituição, mas sim "como um movimento evangélico dinâmico [...]; e uma conversa aberta entre os bispos de todo o mundo sobre como renovar o Catolicismo como estilo de vida inevitável e vital" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. O próprio Papa João XXIII afirmou que "o que mais importa ao Concílio Ecumênico é o seguinte: que o depósito sagrado da doutrina cristã seja guardado e ensinado de forma mais eficaz" [20]. Para satisfazer esta sua intenção, João XXIII queria ardentemente que a Igreja mudasse de mentalidade, para poder melhor enfrentar e acompanhar as transformações do mundo moderno. Apesar de ter cancro inoperável no estômago, que foi diagnosticado em Setembro de 1962, João XXIII quis continuar, com todas as suas débeis forças, a dirigir o Concílio Vaticano II Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

A partir deste Concílio, que só terminou em 1965, a Igreja Católica, através da sua renovação, abriu-se mais ao mundo moderno. Por isso, houve mudanças significativas no Catolicismo: uma grande reforma litúrgica (revisão e simplificação da Missa de rito romano); uma nova perspectiva sobre a liberdade religiosa, a natureza e constituição da Igreja, a colegialidade dos bispos, o apostolado dos leigos e a dignidade dos fiéis, e a relação entre a Revelação divina e a Tradição; novos rumos para o ecumenismo e a pastoral católica; e uma nova abordagem aos problemas do Mundo moderno Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

A centralização do poder no Vaticano, iniciada no final do século XIX, foi revista, sendo a Igreja vista como uma comunidade de cristãos em todo o mundo. O Concílio, todavia, não firmou dogmas, e sim serviu de orientação pastoral à Igreja Católica Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content, sendo seus efeitos vistos de forma controversa pelos praticantes do catolicismo [21]. Para alguns estudiosos, este Concílio, até aos nossos dias, não foi ainda entendido, enfrentando por isso problemas que perduram. Para muitos é esperado que os jovens teólogos dessa época, que participaram no Concílio, salvaguardem a sua natureza; depois de João XXIII, todos os Papas que o sucederam até Bento XVI, inclusive, participaram do Concílio ou como Padres conciliares (ou prelados) ou como consultores teológicos (ou peritos) [22] [23].

Estátua de João XXIII em Sofia (Bulgária).
Estátua de João XXIII em Sofia (Bulgária).

[editar] O discurso da Lua

Um dos discursos mais célebres do Papa João XXIII é o que hoje é conhecido como "o discurso da Lua" [24]. Na noite de 11 de outubro de 1962, data da abertura do Concílio do Vaticano II, a Praça de São Pedro estava lotada de fiéis que, ainda que não compreendessem a fundo as mudanças teológicas do acontecimento, percebiam a sua força histórica, seu caráter importante e as dificuldades que surgiriam. A multidão pedia pelo Papa e João XXIII foi a compartilhar com esta multidão a sua satisfação pela abertura da primeira sessão do Concílio, que contou com a participação de 2540 prelados (ou padres conciliares) de todo o planeta, de várias centenas de peritos (ou consultores teológicos) e de várias dezenas de observadores ortodoxos e protestantes [25] Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Embora com a saúde já bastante debilitada pelo câncer no estômago, João XXIII fez questão de dirigir as cerimônias Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Naquele momento em que dava uma nova direção à Igreja Católica, João XXIII fez uma evocação à Lua: "Poder-se-ia dizer que até mesmo a Lua está com pressa esta noite... Observem-na, no alto, a observar este espetáculo...". Cumprimentou os fiés de sua diocese (o Papa é também o bispo de Roma) e o prosseguiu o discurso: "Quando vocês voltarem para casa, encontrarão suas crianças. Dêem a elas um carinho e digam: Este é o carinho do Papa" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Encíclicas

No seu curto pontificado de 5 anos, João XXIII escreveu 8 encíclicas, que "tiveram um carácter mais pastoral do que dogmático" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content [26]:

As suas encíclicas mais conhecidas são, sem dúvida nenhuma, a Pacem in Terris e a Mater et Magistra Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content, ambas fortemente relacionadas com a Doutrina Social da Igreja [27].

[editar] Mater et Magistra

Ver artigo principal: Mater et Magistra

A encíclica Mater et Magistra (Mãe e Mestra), publicada em 1961, pretendeu actualizar a Doutrina Social da Igreja, através de uma nova e profunda leitura dos "«sinais dos tempos»" da década de 60. Nesta década, uma nova conjuntura mundial começou a formar-se, muito devido aos seguintes acontecimentos: a reconstrução após a Segunda Guerra Mundial (que "havia suscitado grande desenvolvimento de alguns povos e deixado outros no subdesenvolvimento"), "a descolonização da África", a Guerra Fria e os novos "problemas da agricultura, das áreas em via de desenvolvimento, do incremento demográfico e os referentes à necessidade de cooperação econômica mundial" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content [28].

Sobre este pano de fundo, a Mater et Magistra, considerando as desigualdades existentes no plano económico e internacional, exortou "as nações mais ricas a ajudar as mais pobres" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content e defendeu "a participação dos trabalhadores na posse, gestão e lucros das empresas" [29]. Esta encíclica analisou também "a corrida aos armamentos", a superpopulação, o subdesenvolvimento e "a condição dos trabalhadores rurais" (incluindo o consequente fenómeno do êxodo rural e do crescimento exponencial das cidades) Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Por isso, "as palavras-chave da encíclica são comunidade e socialização:" a Igreja Católica (como Mãe e Mestra) "é chamada, na verdade, na justiça e no amor, a colaborar com todos os homens para construir uma autêntica comunhão. Por tal via, o crescimento econômico [...] poderá promover também a dignidade" do Homem Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Pacem in terris

Ver artigo principal: Pacem in Terris

A encíclica Pacem in terris (Paz na Terra), publicada em 1963, realçou "o tema da paz, numa época marcada pela proliferação nuclear" e pela disputa perigosa entre os EUA e a URSS (a Guerra Fria). Através desta encíclica, a Igreja reflectiu profundamente sobre a dignidade, os deveres e os "direitos humanos, enquanto fundamentos da paz mundial" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. A Pacem in terris, completando o discurso da Mater et Magistra, sublinhou "a importância da colaboração entre todos: é a primeira vez que um documento da Igreja é dirigido também a «todas as pessoas de boa vontade», que são chamados a uma «imensa tarefa de recompor as relações da convivência na verdade, na justiça, no amor, na liberdade»" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Este apelo à colaboração incitou a Igreja Católica a começar a ostpolitik Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Este documento pontifício defendeu também o desarmamento, uma distribuição mais equitativa de recursos, um maior "controlo das políticas das empresas multinacionais" e várias "políticas estatais que favoreçam o acolhimento dos refugiados"; reconheceu de "que todas as nações têm igual dignidade e igual direito ao seu próprio desenvolvimento"; propôs a construção de uma "sociedade baseada na subsidiariadade"; e incentivou os católicos à acção e à transformação do presente e do futuro. Esta encíclica exortou também "os poderes públicos da comunidade mundial" (sendo a ONU a sua autoridade máxima) a promover o "bem comum universal", através de uma resolução eficaz dos vários problemas que assolam o mundo Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

No fundo, João XXIII queria a consolidação da "Paz na terra, anseio profundo de todos os homens de todos os tempos, [que] não se pode estabelecer nem consolidar senão no pleno respeito da ordem instituída por Deus". Para o Papa, esta ordem "é de natureza espiritual" e "é uma ordem que se funda na verdade, que se realizará segundo a justiça, que se animará e consumará no amor, que se recomporá sempre na liberdade, mas sempre também em novo equilíbrio, cada vez mais humano" [30].

A Pacem in terris, quando foi publicada, provocou uma "enorme impressão a todos, inclusivamente ao bloco soviético" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Devido à sua importância e popularidade, esta encíclica está actualmente depositada nos arquivos da ONU Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Brasão e Lema

Ver artigo principal: Brasão do Papa João XXIII

O Brasão pontifício de João XXIII é um escudo eclesiástico, em campo de goles e com uma faixa de argente com uma torre do mesmo, brocante sobre tudo ladeada de duas flores-de-lis de argente. Em chefe as armas patriarcais de São Marcos de Veneza, que é de argente com leão alado e nimbado, passante ao natural, sustentando um livro aberto que traz a legenda: PAX TIBI MARCE EVANGELISTA MEVS. O escudo está assente em tarja branca. O conjunto pousado sobre duas chaves decussadas, a primeira de jalde e a segunda de argente, atadas por um cordão de goles, com seus pingentes. O seu timbre é uma tiara papal de argente com três coroas de jalde [31].

O lema papal de João XXIII é OBŒDIENTIA ET PAX (em português: Obediência e Paz). Este lema é o seu testemunho santo de que ele só tem paz quando obedece a Jesus Cristo Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Morte e Beatificação

Beato João XXIII
Venerado pela Igreja Católica
Beatificado 3 de Setembro de 2000, Praça de São Pedro por: Papa João Paulo II
Festa litúrgica 11 de Outubro
Padroeiro: Delegados pontifícios
Portal dos Santos

Conhecido como o "Papa Bom", João XXIII faleceu de câncer no estômago, após longa luta contra tal enfermidade, no dia 3 de junho de 1963, não chegando por isso a encerrar o Concílio Vaticano II. Ele foi sucedido pelo Cardeal Giovanni Montini, que escolheu o nome papal de Paulo VI e que implementou as medidas e reformas do Concílio Vaticano II Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Na altura da sua morte, a revista "Times" constatou e "comentou que poucos pontífices entusiasmaram assim tanto o mundo" como o Papa João XXIII Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Já durante o Concílio Vaticano II, o Cardeal Leo Joseph Suenens e vários prelados defenderam a canonização de João XXIII por aclamação conciliar, como se fazia antigamente na Igreja primitiva. Mas, esta proposta foi prontamente rejeitada por prelados mais conservadores e pela Congregação para as Causas dos Santos Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Por isso, o seu processo de canonização foi só iniciado em 1965, em simultâneo com o processo do Papa Pio XII, ambos com a autorização de Paulo VI Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. O "Diário da Alma" de Roncalli contribuiu muito para a longa investigação orientada pela Congregação, porque neste Diário está registado o seu desenvolvimento espiritual e o seu caminho de santificação. Este Diário descreve também vários métodos que João XXIII usou para vencer o pecado: como por exemplo, ele evitava ficar sozinho com mulheres bonitas. No seu Diário, ele também revelou, no fundo, o seu profundo amor a Cristo, à humanidade, à Igreja e ao Reino de Deus Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Em Janeiro de 2000, o Vaticano reconheceu oficialmente "a veracidade do caso milagroso da freira italiana Caterina Capitani, que alegadamente se curou de um tumor no estômago" por intercessão de João XXIII (caso passado em 1966) [32] [33]. Com esse reconhecimento, ele foi declarado Beato pelo Papa João Paulo II no dia 3 de Setembro de 2000, em cerimônia solene na Praça de São Pedro, juntamente com o Papa Pio IX Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Sobre ele, o Papa João Paulo II afirmou:

João XXIII, o Papa que conquistou o mundo pela afabilidade dos seus modos, dos quais transparecia a singular bondade de ânimo. [...] É conhecida a profunda veneração que o Papa João tinha pelo Papa Pio IX, do qual desejava a beatificação. Durante um retiro espiritual, em 1959, escrevia no seu Diário [da Alma]: "Penso sempre em Pio IX de santa e gloriosa memória, e imitando-o nos seus sacrifícios, desejaria ser digno de celebrar a sua canonização" [...]. Do Papa João permanece na memória de todos a imagem de um rosto sorridente e de dois braços abertos num abraço ao mundo inteiro. Quantas pessoas foram conquistadas pela simplicidade do seu ânimo, conjugada com uma ampla experiência de homens e de coisas! A rajada de novidade dada por ele não se referia decerto à doutrina, mas ao modo de a expor; era novo o estilo de falar e de agir, era nova a carga de simpatia com que se dirigia às pessoas comuns e aos poderosos da terra. Foi com este espírito que proclamou o Concílio Vaticano II, com o qual iniciou uma nova página na história da Igreja: os cristãos sentiram-se chamados a anunciar o Evangelho com renovada coragem e com uma atenção mais vigilante aos "sinais" dos tempos. O Concílio foi deveras uma intuição profética deste idoso Pontífice que inaugurou, no meio de não poucas dificuldades, uma nova era de esperança para os cristãos e para a humanidade. Nos últimos momentos da sua existência terrena, ele confiou à Igreja o seu testamento: "O que tem mais valor na vida é Jesus Cristo bendito, a sua Santa Igreja, o seu Evangelho, a verdade e a bondade". Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content
Sarcófago de vidro do Papa João XXIII, na Basílica de São Pedro.
Sarcófago de vidro do Papa João XXIII, na Basílica de São Pedro.

A sua festa litúrgica é celebrada no dia 11 de Outubro, dia em que teve início a primeira sessão do Concílio Vaticano II. Ele é o patrono dos delegados pontifícios Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Corpo exposto e bem preservado

Em 2001, o cadáver de João XXIII "foi transferido do subterrâneo [...] para o interior da Basílica de São Pedro, onde permanecerá definitivamente exposto ao público numa capela lateral próxima do altar de São Jerónimo". Actualmente, ele está dentro de um "caixão de vidro e bronze [...] à prova de bala e [...] de raios ultravioleta". Uma vez exposto, as pessoas constataram rapidamente o surpreendente grau de preservação do cadáver de João XXIII Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content, que não apresentou um "mínimo sinal de decomposição ou eventual deformação" [34].

Mas, "a preservação do corpo não se deve a um milagre" (logo, não é considerado um corpo incorrupto), "mas sim ao tratamento especial [...] levado a cabo secretamente pelo professor Gennaro Goglia antes do funeral do pontífice" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Mas, também é de salientar que este tratamento especial não é uma "embalsamação, pelo menos no sentido clássico". Isto porque este tratamento consiste numa "aplicação junto aos tecidos internos destruídos pelo câncer, isso para eliminar todas as bactérias locais". Segundo o prof. Goglia, houve também neste tratamento uma "aplicação de líquido especial que atingiu os capilares", podendo ser essa a causa da incorruptibilidade. Mas, esta tese ainda não foi comprovada Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content e também não é a única, existindo ainda várias outras teses e explicações científicas para serem debatidas e provadas [35].

[editar] Críticas, Acusações, Especulações e Teorias de conspiração

Apesar de ser amado, aclamado e homenageado por muitos, o Papa João XXIII é também alvo de várias críticas e acusações, que são feitas maioritariamente pelos católicos tradicionalistas (dentro destes, destacam-se os sedevacantistas e os conclavistas). No entanto, as críticas mais significativas foram refutadas no prefácio do positio, que é um relatório completo feito pela Congregação para as Causas dos Santos sobre a vida e santidade de João XXIII Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Relação com a Maçonaria

Vários grupos de pessoas, nomeadamente certos grupos católico-tradicionalistas, acusam o Papa João XXIII de ter ligações com a Maçonaria e de ser fortemente influenciado por esta mesma associação secreta [36]. Segundo uma outra teoria, João XXIII, desde 1935 (naquela altura, ele era delegado apostólico na Turquia e na Grécia), já era um membro de uma sociedade iniciática com características maçónicas e rosacrucianas [37] [38] [39]. Outros até dizem que ele foi de facto um membro do Priorado de Sião Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content [40]. Algumas destas teorias estão registadas e defendidas no livro As profecias de João XXIII, de Pier Carpi [41]. Yves Marsaudon, um barão e maçon francês, afirmou que o Papa João XXIII tornou-se num maçon de 33º grau durante a sua estadia em França como núncio apostólico Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Em 1994, o Grão-Mestre do Grande Oriente da Itália declarou que Roncalli iniciou-se na Maçonaria em Paris e participou nos trabalhos das lojas maçónicas de Istambul (Turquia) Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Em 2002, um jornal português revelou mais algumas provas de que Roncalli era de facto um maçon praticante [42].

As acusações supra-mencionadas são graves porque a Igreja Católica ensina que todos "os fiéis que pertencem às associações maçónicas estão em estado de pecado grave e não podem aproximar-se da Sagrada Comunhão" [43]. Claro, existem muitos outros grupos de pessoas que negam qualquer envolvimento do Papa João XXIII na Maçonaria ou em qualquer associação secreta Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content [44].

[editar] Relação com os Comunistas, os Socialistas e os Radicais

Além de acusarem-no de maçon, o Papa João XXIII é também acusado de ser um simpatizante e até um cúmplice do Comunismo, do Socialismo e de correntes radicais (na sua maioria, anti-católicos). Estes movimentos modernos são todos eles condenados pela Igreja Católica. Existem relatos que dizem que Roncalli, antes de ser Papa, convivia e socializava amavelmente com muitos comunistas, socialistas e radicais, entre os quais destacam-se Vincent Auriol, Bogomolov (embaixador soviético em Paris), Édouard Herriot (que é considerado por alguns como o maior amigo de Roncalli) e Giacomo Manzu (um vencedor do Prêmio Lenin da Paz). No seu octagésimo aniversário (1961), o Papa recebeu inclusivamente, por telegrama, felicitações de Khrushchev, que era, naquela altura, líder da União Soviética Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

O Papa é também acusado de firmar um acordo secreto com a União Soviética, em 1962. Neste acordo, "João XXIII comprometeu-se com o negociador soviético [...] a não atacar o povo nem o regime da Rússia. Isso era para que Moscovo permitisse que os observadores ortodoxos russos comparecessem" ao Concílio Vaticano II [45] Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Vários católicos tradicionalistas acusam também o Papa de não condenar abertamente o Comunismo e o Socialismo na sua encíclica Mater et Magistra e no Concílio Vaticano II. Eles também acusam esta famosa encíclica de promover e conter ideias socialistas Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Mas, o próprio Papa João XXIII teve o cuidado de incluir na Mater et Magistra as condenações do Papa Pio XI sobre o Comunismo e o Socialismo. Mais concretamente, esta encíclica defende que "entre comunismo e cristianismo, [...] a oposição é radical, e [...] não se pode admitir de maneira alguma que os católicos adiram ao socialismo moderado" [46]. E mais, em 1959, o Papa João XXIII, através da sua confirmação do Decretum Contra Communismum (1949), proibiu os católicos de votarem em partidos ou em candidatos apoiantes do Comunismo Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Anti-Fátima

Existem grupos de defensores mais radicais dos ensinamentos de Nossa Senhora de Fátima (na sua maioria são católicos tradicionalistas) que acreditam que o Papa João XXIII reteve deliberadamente o chamado Terceiro Segredo de Fátima, que é um conjunto de várias informações proféticas reveladas por Nossa Senhora [47] Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Herege, Modernista e Concílio Vaticano II

Existem vários grupos de católicos tradicionalistas que acusam o Papa João XXIII de ser um defensor e praticante da heresia modernista. Eles afirmam que, já em 1925, Roncalli era suspeito pelo Santo Ofício de ser modernista, acabando por ter que ser enviado para Bulgária como Visitante Apostólico. Eles afirmam também que Roncalli era um grande admirador do movimento modernista francês Le Sillon, que foi condenado pelo Papa Pio X Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Eles acham também que o Papa João XXIII, já desde cedo, tinha ideias muito heterodoxas e até heréticas. Como por exemplo, eles alegam que Roncalli, sendo um maçon, não acreditava na divindade de Jesus e em milagres, sendo conhecido por vários maçons como um deísta e racionalista. Roncalli era também visto como um defensor acérrimo da liberdade e dos direitos humanos (incluindo a liberdade religiosa), do ecumenismo, do diálogo inter-religioso (nomeadamente com os judeus) e do respeito e tolerância religiosas. Roncalli chegou mesmo a designar os "cismáticos" e os "heréticos" (ex: ortodoxos e protestantes) de "irmãos separados" que pertencem a uma única "família cristã". Os tradicionalistas acham que tudo isto consiste numa autêntica heresia e apostasia, que tiveram, segundo eles, cada vez maior destaque e predominância depois do Concílio Vaticano II. Eles acreditam que tudo isto era um plano (de carácter universalista e modernista) do Papa João XXIII de corroer a Igreja por dentro, através deste Concílio Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Eles acreditam também que esta corrosão (ou decadência) da Igreja deve-se ao deliberado "sacrifício dos valores" católicos "mais tradicionais" e à promoção do antropocentrismo, que contribuiram para a distorção da autêntica doutrina católica. Eles alegam que este "sacrifício" começou precisamente com o Concílio Vaticano II (idealizado pelo Papa João XXIII) Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content, onde se introduziu também muitas outras inovações, como a colegialidade dos bispos, o ecumenismo, a liberdade religiosa, a valorização da dignidade e dos direitos humanos, a reforma litúrgica do Rito Romano, o aggiornamento e a abertura da Igreja ao mundo moderno Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Eles acreditam que estas inovações são heréticas e constituem uma ruptura com a Tradição católica, fazendo com que a actual Igreja Romana não seja verdadeiramente católica [48].

[editar] Anti-Papa

O Papa João XXIII é também acusado de ser um anti-papa por alguns grupos de católicos tradicionalistas, na sua maioria sedevacantistas e conclavistas. Eles alegam que João XXIII era de facto um herege, um apóstata e um não-católico que pretendia conspirar contra a Igreja Católica, através do Concílio Vaticano II. Estas acusações são baseadas nas outras acusações supra-mencionadas, onde se destacam obviamente as supostas heresias (nomeadamente o modernismo) de João XXIII, o seu envolvimento na Maçonaria e as suas amizades com o Comunismo e o Socialismo Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Alguns destes grupos acreditam inclusivamente que o Cardeal Giuseppe Siri foi de facto eleito Papa no conclave de 1958, mas que teve que dar o seu lugar a Roncalli devido às ameaças dos comunistas (nomedamente dos soviéticos). Os apoiantes desta teoria afirmam também que esta suposta resignação do Cardeal Siri era ilegal, por isso eles acreditam que Siri é que era o verdadeiro e legítimo Papa (eles até acreditam que Siri escolheu o nome papal de Gregório XVII). Eles acham por isso que João XXIII era só um mero usurpador ilegal da cátedra de São Pedro Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content [49] Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Mas, existem também muitos estudiosos, entre os quais católicos tradicionalistas (ex: Hutton Gibson), que defendem que esta teoria é falsa e foi baseada em interpretações confusas e distorcidas dos factos e de certas notícias em língua italiana [50].

Existem católicos tradicionalistas que acreditam que Roncalli escolheu o nome papal de João XXIII para, de uma forma discreta e codificada, informar os seus companheiros maçons que ele era de facto um anti-papa e que iria pôr em prática um plano de destruição da Igreja Católica. Eles acreditam nisso em parte porque, na verdade, existiu mesmo um anti-papa chamado João XXIII, que viveu na Idade Média Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

[editar] Supostas profecias e encontros com ETs

Para além das críticas e acusações, existem também várias alegações e teorias que defendem que Ângelo Roncalli redigiu, em 1935, um conjunto de profecias "surpreendentemente claras", sendo "em parte reveladas ao mundo no livro ”As Profecias do Papa João XXIII”, de Pier Carpi" [51]. "Como qualquer profecia, as suas mensagens estão carregadas de metáforas e outros tropos. Abrangem desde a iminente II Guerra Mundial até o “final dos tempos" [52].

Eles acham que João XXIII prognosticou "a entrada em cena de um Santo Padre em cujo tempo “a Mãe estenderá o braço e se abrirá ao mundo” – ou seja, a Igreja abarcará o mundo todo. [...] A Igreja aceitará então “uma pequena corrente”, isto é, adotará princípios gnósticos. [...] A doutrina da reencarnação será então aceita. [...] Mas no fim, [...] “injustas acusações terá o vigário [...], o Pai da Mãe estará sozinho e haverá os espinhos [...]. E sangue nas prisões para quem crê”. [...] Será então que a biogenética terá descortinado o mapa genético do homem. Nesse ponto, entrará em cena o Anticristo: “Um grande irmão do Oriente fará estremecer o mundo com a cruz invertida sem lírios”. João XXIII fornece a data: “São vinte séculos mais a idade do Salvador" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Segundo eles, João XXIII também profetizou que "o mundo futuro será socialista e [...] será governado pelo futuro Grande Monarca “Luz de Ocidente, última luz antes da eterna, desconhecida. A verdade será mais simples de quanto todos dissemos, escrevemos. Será um bom juízo...”". Eles afirmam também que, quando Roncalli já era Papa, ele conseguiu prever que o cardeal Montini (o futuro Papa Paulo VI) "seria o seu sucessor" Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Na década de 90, um grupo de pessoas espalharam rumores na Internet, dizendo que o diário privado de João XXIII contém mais revelações e profecias sobre o futuro Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Eles afirmam que João XXIII, através do seu contacto directo com Cristo e com Nossa Senhora, recebeu a preciosa informação de que, no dia 25 de Dezembro de 2000, Cristo aparecerá em Nova Iorque, dando início à Parusia e ao fim do mundo Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content [53]. Apesar de este Papa ter de facto um diário, não existe evidências fundamentadas de que este diário privado contém visões apocalípticas do futuro Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content.

Existem também pessoas que atribuem ao Papa João XXIII uma profecia relativa ao ressurgimento da Atlântida e ao contacto com os OVNIs Cite error 4; Invalid <ref> tag; refs with no name must have content. Ainda em relação aos extra-terrestres (ETs), existem relatos que afirmam que João XXIII "teve vários encontros" com estes "seres não humanos", sendo que "um deles [...] teve lugar na residência de Castel Gandolfo, em 1961". Segundo estes relatos, no fim deste encontro em Castel Gandolfo, o Papa afirmou a um dos seus assistentes o seguinte: "os filhos de Deus estão em todas as partes; algumas vezes temos dificuldade em reconhecer a nossos próprios irmãos" [54] [55].

[editar] Referências

  1. Biografia de João XXIII (em português). Santa Sé. Página visitada em 11 de Junho de 2009.
  2. JOHN CARMEL HEENAN. Crown of Thorns: an autobiography, 1951-1963 (em inglês). Londres: Hodder and Stoughton, 1974. ISBN 0340168161
  3. O Concílio Vaticano II (em português). Doutrina Católica. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  4. Catolicismo e mundo moderno (em português). Hieros. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  5. GEORGE WEIGEL. A Verdade do Catolicismo: Resposta a Dez Temas Controversos (em português). Lisboa: Bertrand Editora, 2002. págs. 45 - 46 p. ISBN 972-25-1255-2
  6. Blessed Pope John XXIII (em inglês). Casa do Papa João XXIII. Página visitada em 13 de Junho de 2009. Nota: ver secção Life; subsecções Main dates e Flashes of the life.
  7. JOÃO PAULO II (2000). Homilia de João Paulo II para o Rito de Beatificação Solene do dia 3 de Setembro de 2000 (n. 1) (em português). Santa Sé. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  8. Pope Blessed John XXIII (em inglês). Saints.SQPN.com. Página visitada em 12 de Junho de 2009.
  9. Pope John XXIII (Bl. Angelo Giuseppe Roncalli) (em inglês). Catholic Hierarchy (2000). Página visitada em 14 de Junho de 2009.
  10. The IRWF postulates the Apostolic Delegate as a "Righteous Among the Nations" (em inglês). Fundação Internacional Raoul Wallenberg (7 de Setembro de 2000). Página visitada em 19 de Junho de 2009.
  11. Jewish Leader Wants Honor for John XXIII (em inglês). Fundação Internacional Raoul Wallenberg (4 de Novembro de 2008). Página visitada em 19 de Junho de 2009.
  12. ALMOST A SAINT: POPE JOHN XXIII (em inglês). St Anthony Messenger Magazine Online (1996). Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  13. The Scandals and Heresies of John XXIII (PDF) (em inglês). Most Holy Family Monastery. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  14. I choose John (em inglês). Time (10 de Novembro de 1958). Página visitada em 14 de Junho de 2009.
  15. The unlikely election of John XXIII (em inglês). CatholicIreland.net (2003). Página visitada em 14 de Junho de 2009.
  16. Biografias de Pio IX e João XXIII (em português). Paróquias.org (3 de Setembro de 2000). Página visitada em 23 de Junho de 2009.
  17. Decretum Contra Communismum (em português). Associação Cultural Montfort. Página visitada em 13 de Junho de 2009.
  18. AUSTIN CLINE. Biography: Pope John XXIII (em inglês). About.com: Agnosticism / Atheism. Página visitada em 13 de Junho de 2009.
  19. A fé, segredo que fez do Papa bom um homem de paz; explica Bento XVI (em português). Zenit (29 de Outubro de 2008). Página visitada em 19 de Junho de 2009.
  20. JOÃO XXIII (1962). Discurso de Sua Santidade Papa João XXIII na Abertura Solene do SS. Concílio (cap. V, n. 1) (em português). Santa Sé. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  21. GEORGE WEIGEL. A Verdade do Catolicismo: Resposta a Dez Temas Controversos (em português). Lisboa: Bertrand Editora, 2002. págs. 45, 68 e 69 p. ISBN 972-25-1255-2
  22. FACULTY OF CATHOLIC UNIVERSITY OF AMERICA. New Catholic Encyclopedia (em inglês). 1.ed. Nova Iorque: McGraw-Hill, 1967. pág 563 p. v. XIV. ISBN 0787640042
  23. GIUSEPPE ALBERIGO. A Brief History of Vatican II (em inglês). 1.ed. Maryknoll: Orbis Books, 2006pág 69 p. ISBN 1570756384
  24. Discorso alla Luna (em italiano). Giovaniemissione. Página visitada em 13 de Junho de 2009.
  25. O Concílio Vaticano II (DOC) (em português). Paróquia de Nossa Senhora dos Remédios (PB) (1999). Página visitada em 14 de Junho de 2009.
  26. Encíclicas - João XXIII (em português). Santa Sé. Página visitada em 23 de Junho de 2009.
  27. PONTIFÍCIO CONSELHO JUSTIÇA E PAZ (2004). Compêndio da Doutrina Social da Igreja (n. 89 - 104) (em português). Santa Sé. Página visitada em 23 de Junho de 2009.
  28. MÁRITON SILVA LIMA (2003). Os direitos sociais depois de Leão XIII (em português). Página visitada em 23 de Junho de 2009.
  29. A DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA (em português). Missionários da Consolata (13 de Março de 2006). Página visitada em 23 de Junho de 2009.
  30. JOÃO XXIII (1963). Pacem in terris (n. 1 e 37) (em português). Santa Sé. Página visitada em 23 de Junho de 2009.
  31. STEMMA SUMMI PONTIFICIS IOANNIS PAPAE XXIII (em latim). Santa Sé. Página visitada em 13 de Junho de 2009.
  32. JOÃO XXIII EXPOSTO EM S. PEDRO (em português). Paróquias.org (4 de Junho de 2001). Página visitada em 19 de Junho de 2009.
  33. THE NARRATION OF THE HEALED SISTER (em inglês). Casa do Papa João XXIII. Página visitada em 19 de Junho de 2009.
  34. Beato João XXIII - Papa (em português). Página Oriente. Página visitada em 11 de Junho de 2009.
  35. JOHN VENNARI (2 de Maio de 2001). Vatican Says Body Of John XXIII No Miracle (em inglês). lewrockwell.com. Página visitada em 19 de Junho de 2009.
  36. ORLANDO FEDELI (2005). João XXIII, Paulo VI e a Maçonaria (em português). Associação Cultural Montfort. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  37. “John 23” and the enigma of Bérenger Saunière (em inglês). Societé Perillos. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  38. John XXIII (em inglês). Library of Halexandria. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  39. Brief Overview of the V-2 Sect Antipopes: Roncalli to Ratzinger (October 28, 1958 - Present) (em inglês). DestroyFreemasonry.com. Página visitada em 11 de Junho de 2009.
  40. Pope John XXIII - Modern conspiracy theories (em inglês). Global Oneness. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  41. PIER CARPI. Las Profecías de Juan XXIII (em espanhol). Espanha: Martínez Roca, . ISBN 9682103010
  42. Pope John XXIII Was A Practicing Freemason (em inglês). Rense.com. Página visitada em 11 de Junho de 2009.
  43. CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ (1983). Declaração sobre a Maçonaria (em português). Santa Sé. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  44. PODE UM CATÓLICO EXERCER A MAÇONARIA? (em português). Veritatis Splendor. Página visitada em 12 de Junho de 2009.
  45. O ACORDO ROMA-MOSCOU (em português). Permanência. Página visitada em 13 de Junho de 2009.
  46. JOÃO XXIII (1961). Mater et Magistra (n. 34) (em português). Santa Sé. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  47. The Catholic COUNTER-REFORMATION IN THE XXth CENTURY (em inglês) (1997). Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  48. Sinopse dos Erros do Concílio Vaticano II (em português). Fraternidade Sacerdotal São Pio X. Página visitada em 11 de Junho de 2009.
  49. ANTIPAPAS DA ATUALIDADE (em português). Paróquia São Leopoldo Mandic. Página visitada em 11 de Junho de 2009.
  50. The "Siri Thesis" Unravels (em inglês). Inside the Vatican. Página visitada em 11 de Junho de 2009.
  51. Profecias e os ETs (em português). Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  52. JOÃO XXIII: O PAPA QUE VIU O FIM DO MUNDO (em português). Realidade Hoje. Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  53. PREDICTIONS FROM THE DIARY OF POPE JOHN THE 23rd (em inglês). Página visitada em 10 de Junho de 2009.
  54. Papa João XXIII manteve contato com ETs, segundo estudiosos (em português). Fórum Outer Space. Página visitada em 19 de Junho de 2009.
  55. YOHANAN DÍAZ VARGAS (15 de Fevereiro de 2009). EL GRÁFICO. S.S. Juan XXIII contactado con seres extraterrestres. (Incluye audio) (em espanhol). Página visitada em 21 de Junho de 2009.

[editar] Ver também

[editar] Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
 Citações no Wikiquote
 Imagens e media no Commons


Precedido por
Pio XII

Papa

262.º
Sucedido por
Paulo VI



BIOGRAFIAS

A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

<td rowspan="{{#expr:1 +1 +1 +1 +1 +1 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0 +0" style="vertical-align:middle; padding-left:7px; width:0%;">}}}}

Ferramentas pessoais